Moro Anghileri

Moro Anghileri é dramaturga, diretora e atriz. Se formou em Licenciatura de “Direccions de Cine” na “Universidad del Cine”, em Buenos Aires –  Argentina, tendo dirigido vários documentários e curtas-metragens, em que “Rara como encedida” se destaca, além de ter co-dirigido um longa, “Super”, que estreou em 2007 no Festival Internacional de Buenos Aires. No teatro, dirigiu peças como “Hika”, “Puentes”,” Alicia muiró de un susto” e “Antes muerto”.

 

Como atriz, trabalhou em diversas peças de teatro, e tem uma vasta carreira no cinema. Protagonizou o filme “Sábado” de Juan Villegas, “Vida en Marte” de Néstor Frenkel, “Buena Vida Delivery” de Leo Dicesare (pelo qual ganhou o Prêmio Condór de Plata como atriz Revelação), o francês “Sinon J’etouffe” de Nicolás Azalbert, “Ronda Nocturna” de Edgardo Cozarinsky, “Lifting de corazón” de Eliseo Subiela, “Clarisa ya tiene un muerto” de Juan Pablo Martinez, “El salto de Christian” de Eduardo Calcagno, “Yo soy sola” de Tatiana Merenuk,  “Aballay” de Fernando Spiner (pelo qual ganhou o prêmio de Melhor Atriz pelo Premio SUR e também pela Mostra de Cine Latinoamericano de Cataluña) , e ao lado de Gael Garcial Bernal  estrelou “El pasado” de Héctor Babenco.

 

Na televisão argentina, se destacou em “El Pacto” (o que lhe valeu uma indicação ao premio Martín Fiero 2012), “Ecos”, “Trazos”, “Mujeres Asesinas”, “Sos mi vida”, “Un cortado”, “Histórias de café”, “Numeral 15”, “Soy tu fan”, “Sangre Fria”, “Tiempo Final”, “Chiquititas” e “Gasoleros”.

 

Devido ao seu sucesso no cinema argentino, Moro foi convidada pelo diretor Jayme Monjardim a integrar o elenco da novela “Flor Do Caribe”, exibida pela TV Globo em 2013.